A grande maioria das crianças que chegam para uma avaliação neuropsicológica é devido a algumas observações feitas por profissionais da área da saúde, educacional ou pessoas do convívio da criança, como por exemplo, professores, motorista da van escolar, pediatra, fonoaudiólogo, com as seguintes queixas: “ele não fica quieto”, parece estar desatento ao que é dito na aula”, “briga com as crianças na van”, “não aprende”, “parece não compreender as regras”. Portanto, as crianças e adolescentes encaminhados para uma avaliação apresentam em sua maioria, problemas comportamentais, com dificuldade escolares e atraso no desenvolvimento neuropsicomotor*.
A avaliação neuropsicológica permite compreender como a criança e adolescente processa a informação, como ela é a armazenada na memória e como ela faz para recorda esta informação. Diferenciando o que está em pleno funcionamento do que precisa ser mais trabalhando.
Como é realizada a avaliação neuropsicológica infanto-Juvenil?
Inicia-se o processo através de uma entrevista inicial (anamnese), onde a família descreve sobre a criança, qual o motivo da avaliação, para uma melhor compreensão da situação. Observação lúdica, onde o neuropsicólogo irá ter contato com a criança ou adolescente, utilizando técnicas lúdicas. Planejamento da avaliação, quantas sessões serão necessárias e a duração. Seleção de instrumentos, quais testes serão utilizados para avaliação. Interpretação e integração para a devolução dos resultados a família.
Quais são os objetivos da avaliação neuropsicológica infanto-Juvenil?
“Auxilio no diagnóstico diferencial, entre transtorno de aprendizagem e deficiência intelectual mental” (Malloy-Diniz, Fluentes, Mattos, Abreu e cols., 2010, pg. 228).
“Mapeamento cognitivo nos quadros psiquiátricos de início na infância e adolescência, como por exemplo, o transtorno de déficit de atenção/hiperatividade- TDAH” (Malloy-Diniz, Fluentes, Mattos, Abreu e cols., 2010, pg. 229).
Contudo, todas as pessoas (escola, pais, profissionais da saúde) que lidam com a criança/adolescente tem necessidade de terem maior conhecimento sobre o que de fato a criança/adolescente é capaz de fazer, quais são as emoções envolvida, assim como, os problemas de comportamento e de aprendizagem associados.
Importante consideração a ser feita na avaliação infanto-Juvenil é o impacto que as relações familiares e escolares exercem no funcionamento cognitivo da criança/adolescente, a ampla variedade de comportamentos comuns em crianças que apresentam desenvolvimento normal e a fase do desenvolvimento em que a criança se encontra.
Considerações Finais
Avaliação neuropsicológica infanto-Juvenil é realizada para auxílio no diagnóstico diferencial, para compreensão das queixas apresentadas, do comportamento disfuncional que a criança e adolescente apresenta. Vale salientar que não é um processo concluído e acabado e tem suas limitações.
*Refere ao desenvolvimento do Sistema Nervoso do aspecto psicológico e do desenvolvimento e coordenação motora.
Gostou do texto? Deixe seu comentário.
Até Breve!
Isis Honorato
Psicóloga 06/92763
Especialista em Neuropsicologia
Idealizadora e Criadora Desenvolvedora da Inovamente Psicologia
Experiência em atendimento a crianças e adolescentes
Referências Bibliográficas
MALLOY-DINIZ , L.F. [et al.]. Avaliação neuropsicológica – Porto Alegre: Artmed, 2010
Site: http://www.indianopolis.com.br/si/site/1146 acesso em 08/02/17.
Comentários do Facebook
Postado em , Avaliação Neuropsicológica, Blog, Neurociência, Neuropsicologia, Psicologia e marcada , , , , , , . .

Deixe um comentário

Site de Psicologia
%d blogueiros gostam disto: