Memória envelhecimento

Cláudia* tem 64 anos de idade, é divorciada, tem dois filhos e um neto, trabalha como secretária em uma empresa de médio porte; de uns meses para cá vem notando mudanças na sua capacidade de gerenciar a agenda de compromissos, lembrar de alguns dados e está se demorando mais para responder dúvidas por telefone ou pessoalmente enquanto realiza algumas anotações.

Cláudia*, por ser secretária, costuma estar sempre informada sobre os avanços da ciência na geriatria, mas até o momento não conseguiu sanar uma pergunta que anda lhe perturbando: como pode manter a agilidade em recordar compromissos, responder prontamente enquanto está fazendo anotações e gerenciar a agenda? Este questionamento da Cláudia* é também de outros idosos que se mantém ativos profissionalmente.

Com a expectativa de vida em elevação, há algumas pesquisas, dentre elas de Ballsteros e cols (2015) indicando três possibilidades a serem utilizadas com a finalidade de prevenir o declínio cognitivo:

Abordagem apoiada em treino físico

Google Imagens

Atividades aeróbicas, esportes onde haja interação, danças e até artes marciais – o tai chi. Você pode estar se perguntando no que a prática do tai chi pode ajudar o cérebro? A prática compreende a aprendizagem e memorização de novas habilidades, treinamento do foco atencional, alternância e multitarefas, influenciando o armazenamento e manipulação de informações; conseguir dividir a atenção, como por exemplo, entre dirigir e cantar.

Treino Cognitivo

Treino em computadores, utilizando videogames e jogos online.

Estimular a socialização

Atividades que envolvam a interação social, como ir a parques, clubes, eventos esportivos, viajar, trabalho voluntário e sair com os amigos.

Com os avanços das pesquisas, da ciência e tecnologia, as técnicas de prevenção estão em constante evolução, sendo assim, em breve teremos mais técnicas a serem utilizadas.

Até nosso próximo encontro.

Isis Honorato

Psicóloga 06/92763

Especialista em Neuropsicologia

Idealizadora do Inovamente Psicologia

 

*Cláudia é um nome fictício.

Referência

Psicogeriatria na prática clínica / Antonio Lucio Teixeira, Breno Satler Dinis e Leandro F. Malloy-Diniz. São Paulo: Person Clinical Brasil, 2017.

Imagem: Pixabay

Comentários do Facebook
Postado em , Avaliação Neuropsicológica, Blog, Envelhecimento, Terceira Idade e marcada , , , , . .

Deixe um comentário

Site de Psicologia
%d blogueiros gostam disto: