… quando se olha no espelho?

Quem é você? Ou, quem você pensa que é?

De verdade, pegue um papel e uma caneta e comece a escrever suas características, aquilo que te define, que seja seu diferencial.

Isso que pensou ou escreveu, de fato, é seu ou é dado, de modo que, para conviver em sociedade, você toma emprestado e diz que é “VOCÊ”?

São questionamentos fortes, não é? Mas são necessários para que você possa entender o que eu quero conversar neste e nos próximos textos.

Quando nascemos já nos é dado um mundo formado. O mundo não é novo, nós que somos nele. E precisamos nos adequar às regras já estipuladas.

E, para nos adequarmos, ou seja, para garantirmos nosso ‘lugar ao sol’, vamos nos constituindo a partir daquilo que nos é apresentado. Primeiramente pela nossa família, depois pela escola e assim por diante, de modo a construirmos nossa personalidade, nosso jeito de ser.

E, quando paramos para entender quem somos nesse ‘mundão de todos’, deparamo-nos com nossas características, as quais em torno desses anos vividos, fomos formando e constituindo, ou seja, a partir do que foram sendo apresentados a nós, fazíamos as escolhas de como agir, mas sempre mantendo a ordem social. Tais especificidades formam a maneira como nos enxergamos na sociedade (em suas diversas comunidades), como agiremos nela e como as pessoas nos compreendem, nos categorizam.

Chamamos isso de IDENTIDADE SOCIAL.

Quando você apresenta seu documento de identidade (RG), CNH, CPF ou outro tipo de identificação, logo sabem que você é o ‘fulano de tal’, sua idade, onde nasceu, quem são seus pais e etc.

Contudo, nem todo documento de registro, aponta quem você é de fato, ou existe algum documento cadastrado no governo que defina o que você gosta de fazer, sua cor preferida, por quem sente atração, qual sua melhor qualidade e tantas outras coisas subjetivas e pertencentes a sua personalidade?

Eu também desconheço. Portanto, nos próximos textos, vamos conversar sobre IDENTIDADE SOCIAL e como a Psicologia pode trabalhar com ela. Como eu disse, aprendemos com o mundo, mas também agimos nele, fazendo com que a sociedade não permaneça a mesma para sempre.

É isso então pessoal, vejo vocês no próximo texto!

Fonte da Imagem: Pixabay.

Psicólogo Otavio Fernandes Macedo

CRP 06/141924

Colunista Inovamente Psicologia

TEL: (11)99768-4519

E-MAIL: psic.otavio1@gmail.com

 

Postado em , Blog, Reflexão e marcada , . .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*


Site de Psicologia