Esta imagem me fez lembrar de muitas letras de músicas, textos e de frases, como a de Sócrates, por exemplo, quando diz:  

– “Conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo.”

 A responsabilidade por nossa vida só pode ser nossa. Podemos ter sofrido os mais desconfortos infortúnios da vida, todas as injustiças do mundo, desenganos, desencantos e injúrias. Mas, a opção em continuar e fazer diferente e melhor será sempre nossa. Seguir em frente deve ser o nosso lema. Veja, para onde aponta nossos pés: para frente. Observe quando estamos numa praia, buscamos a linha do horizonte.

Eu não sou o que as pessoas fizeram de mim! Está bom, posso ser, mas também posso escolher mudar e ser diferente. Mas, como mudar, como ser diferente se o passado assombra e condena? Bem, será necessária uma boa dose de amor-próprio e coragem para aceitar as limitações, dificuldades e as dores. Mudar requer aceitar o que se é e o que se tem. Para isso, é necessário também olhar para nossos egoísmos, para nossas maldades, fraquezas, vaidade, hipocrisia e tantos outros adjetivos ruins.

Será necessário um trabalho intenso para descobrir qual verdade habita em nós. Será necessário se despir não de roupas, mas de crenças superficiais e sem fundamento. Crenças que carregamos por gerações e gerações. Para quebrar um ciclo, a vida trará situações que nos colocará no lugar certo para aprender, mas é possível aprender pelo amor e não pela dor. Ficar nu, frente a frente com nossa alma, aquela que vamos através do espelho. Aquela que é refletida nos olhos de quem mais amamos.

Pronto, conseguido fazer isso, daremos um passo para fora do paraíso.

 À medida que conhecemos verdades, nos libertamos com certeza de algum paraíso e seremos expulsos. Quando chegarmos nessa encruzilhada, podemos desistir, que é o que acontece muitas vezes no processo psicoterapêutico. Nesse momento, dar conta de tanta informação requer um suporte e heterosuporte que deverá ter sido bem desenvolvido com a figura do psicólogo para que no momento de fazer a travessia, ambos estejam firmes. E se ainda assim, você achar que não há solução, continue a nadar e a nadar.

Fonte: imagem studioprototipo.com.br e Google

Texto elaborado pela:

Psicóloga Adriana Maximina Volsi

CRP: 06/65990

E-mail: psicologaadrianamaximina@gmail.com

Contato: (11) 94143-8390

Postado em , Blog, Reflexão e marcada , , , . .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*


Site de Psicologia